His/estória 1 – A Fundação

Era uma vez 3  jovens professoras de alemão, Márcia Castelo Branco, Patrícia Azarian Pires Claro , Susi Schünemann Dantas e um professor um tanto alternativo e um tanto mais velho que as moças, o Ávila ( eu nunca soube o outro nome dele ).

Esse grupo sublocava salas de aula no antigo Colégio Brasileiro de Almeida em Ipanema – hoje a Faculdade da Cidade e lecionava informalmente alunos adultos interessados em aprender alemão.

Nessa época o Instituto Goethe botava aluno pelo ladrão, e eles não davam conta de tanta demanda pelo interesse em se estudar essa tão malfadada, injustamente mal falada língua.

As inscrições no Instituto eram feitas  com enorme  antecedência e as pessoas formavam filas  já as 5h da manhã (ops!) na rua Graça Aranha para conseguir uma vaga. Caracol!  Bons tempos idos, não havia concorrência  e a galera do Instituto nadava de braçada,  era feliz e não sabia.

Por isso mesmo o Instituto dava a maior força, o maior apoio a esse grupo de professores, pois como a Susi já era professora do Goethe, eles tinham confiança na qualidade do ensino.

Em uma dessas turmas, estudava alemão o  hoje famoso e respeitado clinico Dr. Luis Eduardo Lamy,  diretor do Hospital de Ipanema, então aluno da Susi.

Um belo dia ele chama  Susi e Patricia de lado e lhes diz:

“ Meninas, vocês são ótimas professoras. Boas mesmo!  Tem talento para o ensino ! Mas essa coisinha aqui de fundo de quintal que vocês estão fazendo não dá! Vocês precisam fazer isso direito, precisam abrir uma empresa, um curso de alemão DE VERDADE!!!

Acho que posso ajudar vocês nessa empreitada. Posso pedir a meu pai, que ajude na elaboração do contrato social dessa empresa.

O que vocês acham?”

E foi assim que o famosíssimo jurista Dr. Alfredo Lamy, infelizmente falecido esse ano, escreveu nosso contrato social, que ao longo desses 40 anos , em várias situações foi muito elogiado por todos os advogados que nos auxiliaram .

O Dr. Alfredo Lamy conseguiu  nesse contrato amarrar o que é fundamental e flexibilizar o que é libertador.

Realmente nesses 40 anos passamos praticamente sem traumas pelas alterações na sociedade.

Graças aos Doutores Lamys, o médico e o jurista.

Gratidão eterna!!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.